Igreja da Ciência Divina

Nosso Blog...

Encontre aqui assuntos que poderão ajudá-lo em diversas áreas de sua vida. Não deixe de comentar e deixar suas perguntas sobre o assunto ou sugerir novos temas. 

Sobrevivência Financeira

Melhorar a sua vida pode melhorar o mundo…

“A finalidade de uma Igreja não é apenas cultuar uma determinada divindade, é também promover o congraçamento entre os fiéis de forma que uns ajudem os outros a crescerem em todos os setores de suas vidas.”

“Quem sabe ensina, compartilha, e quem não sabe aprende e começa a transformar sua vida através dos conhecimentos adquiridos dessa forma.”


E é por isso que a palavra Igreja vem de Egrégora, no grego e significa reunião em boa companhia.

E isso me faz lembrar de um ensinamento do Thomas Jefferson um dos criadores da Constituição americana. Ele costumava contar a seguinte história:

Você compra um pão em uma padaria e no caminho de volta pra casa encontra com um amigo que também traz um pão que comprou em outra padaria. Vocês conversam sobre os pães e resolvem trocar de pães, você pega o pão do seu amigo e entrega seu pão a ele e cada qual segue o seu caminho. No caso de trocar coisas, você tinha uma coisa, trocou com seu amigo e cada qual vai para casa levando uma coisa pra casa, um só coisa, uma coisa diferente da original, mas ainda assim uma só coisa.

Mas se você ao encontrar um amigo trocar uma ideia com ele, quando seguirem seus caminhos cada um de vocês terá duas ideias. A ideia original que já tinham antes de se encontrar e a nova ideia que cada um apresentou ao outro. Você dobrou sua posse de ideias, tinha uma agora tem duas!

E é isso que faz uma reunião de Egrégora, aqui se compartilha conhecimentos e uns ajudamos aos outros.

O tema sobrevivência financeira é um dos assuntos que trato em meu curso A Regra de Ouro. A Regra de Ouro é um curso focado em ensinar as pessoas a conseguirem prosperidade.

É um assunto muito importante se considerarmos que a Pandemia condenou nosso povo a grandes provações de ordem econômica. Compartilhar assuntos que ajudem as pessoas a entenderem a situação econômica e a aprenderem como sobreviver financeiramente nestes tempos bicudos é um dever que toda Igreja deveria atender.

É obrigação de toda Igreja ajudar seus fiéis a sobreviverem, a sustentarem suas famílias, a serem um esteio dentro de uma sociedade que passa por tantos dissabores.

E é isso que estamos trazendo com os conteúdos de nosso blog, site e redes sociais.

O primeiro conceito a ser aprendido é que a pobreza é uma doença, ninguém foi criado para ser pobre, para passar necessidade.

Observe a Natureza: a Natureza é muito farta, muito caridosa, lhe devolve muito mais do que você dá a ela e essa é a Natureza de Deus.

Se você pega um grão de milho e o semeia, nasce um pé de milho e se der apenas uma espiga lhe dá centenas de grãos a mais do que aquele único grão que você semeou.

A Natureza é assim, assim é Deus – lhe devolve muito mais daquilo que você semeia.

Pobreza é doença, não faz parte daquilo que Deus escolheu para nós.

O Universo, a natureza são abundantes e ambos são criações de Deus.

Deus é farto, é rico, é generoso e a pobreza é mesquinha, castigadora, castradora, um fardo para aqueles que a escolhem e a amam.

Escolher e amar? Poderá alguém escolher e amar a pobreza? Sim! Claro que sim! Muitos escolhem e amam a pobreza e percebem isso.

A pobreza é uma doença, você pode e deve se curar dela!

O Adriano Silva disse “A pobreza é perversa porque ela deixa um legado. A pobreza aleija. É uma doença com sequelas irreversíveis.”

Segundo The Economist em 2009 ainda havia 16 milhões de brasileiros em pobreza extrema e agora com a Pandemia a coisa deve estar ainda pior.

Quero compartilhar com você um texto de Orlando Oda, preste atenção ao que ele diz e trataremos do assunto lhe trazendo boas ideias nos próximos posts.

Pobreza é uma doença. A dor é sentida no bolso.

Os sintomas são: falta de dinheiro, carência de bens materiais, falta de sossego.

A febre é o sintoma de uma doença infecciosa.

É um aviso do organismo, um processo de defesa contra alguma anormalidade. Se quiser curar, não adianta combater o sintoma, é preciso tratar a causa.

Para isso, é fundamental distinguir a causa do problema.

Só fazer planos, metas de vendas e de redução de despesas não resolve o problema.

A causa está além da falta de controle e de organização.

Quando se combate só o sintoma acontecem melhoras momentâneas, mas a causa continua existindo.

Quando a causa não é eliminada, o problema retorna em curto espaço de tempo e de outra forma.

Para melhor compreensão, precisamos analisar a falta de dinheiro de dois ângulos diferentes: coletivo (pobreza no sentido macro) e individual (situação financeira).

A pobreza no sentido macro depende do centro que comanda, ou seja, o governo. Em 1960, a renda per capita do Brasil era quase dobro da Coreia do Sul. Dez anos depois, em 1970, eram equivalentes. Atualmente a renda per capita dos brasileiros está em torno de 11.900 dólares, ou seja, quase um terço dos coreanos, que hoje estão em 32.100 dólares.

Na última década conseguimos ser o terceiro pior PIB da América Latina, na frente apenas do Paraguai e da Bolívia.

Por que isso aconteceu? Dos exemplos é possível perceber quão grande é a influência do comando interno – o governo.

A mesma influência ocorre no nível individual.

São três forças que comandam o ser humano: força física, força mental e força interna.

As pessoas ainda não perceberam ou não aprenderam a utilizar a grande força interior que comanda o ser humano de dentro e faz as coisas acontecerem.

A falta de dinheiro que não necessariamente é pobreza, é criada pelas diversas “faltas interiores”: falta de generosidade, falta de gratidão, falta de educação, carência afetiva, falta de harmonia, de alegria, sinceridade, esforço.

Alguma ou algumas destas “faltas interiores” levam à criação da carência financeira e material.

A falta de generosidade é a falta de amor. Significa mesquinhez, pequenez interna, egoísmo. Falta a grandiosidade interior para compartilhar com outras pessoas.

A pequenez interior reflete na vida como pequeno crescimento profissional, pouca visão de negócio e pouco dinheiro. Enxergar só a si mesmo é uma forma de miopia.

Já a falta de gratidão é uma das principais causas de insucesso pessoal, profissional e financeiro. A primeira lei da prosperidade diz que é preciso agradecer as coisas que já se possui.

Se fizer uma pesquisa com pessoas que ficam desempregadas por longos períodos entenderá. Pergunte qual é o nome do primeiro patrão e se um dia na vida agradeceu a esta pessoa.

A falta de harmonia junto com a gratidão é também uma das principais causas dos problemas pessoais e financeiros.

Os planetas não se chocam porque estão em harmonia e em equilíbrio. A desarmonia é desunião, separação. Faz o dinheiro separar de você.

Atrás dos problemas financeiros de uma empresa está a verdadeira causa do insucesso: brigas, disputas, desarmonia entre membros da família ou sócios. O desequilíbrio entre a entrada e saída gera a falta de dinheiro.

Se falta dinheiro é porque gasta mais do que ganha.

A causa nunca é a torneira da entrada e sim o ralo da saída.

Desperdiça-se o dinheiro em pequenos valores de forma compulsiva.

Faz-se isso porque há um desequilíbrio interior que faz comprar coisas desnecessárias para anestesiar e esconder a insatisfação interior.

A carência afetiva também pode manifestar como carência financeira na vida pessoal. É muito comum pessoas com problemas de relacionamentos com pais, marido, mulher e familiares passarem na vida por grandes problemas financeiros.

A carência interior cria uma carência física exterior por semelhança de sentimento. A lei funciona por atração da semelhança.

Não é igualdade!

Um dos professores que eu tive dizia sempre: “O problema existe até solucionar. Para solucionar, precisa saber qual é o problema”. Se curar a infecção, a febre desaparece. Se identificar a causa da falta de dinheiro e solucionar o problema, automaticamente ele deixará de existir.

Que tal tentar?

Essas foram as palavras do Orlando Oda que compartilhei com você. Ele tratou do O QUE – que é a descrição do problema.

Nos próximos posts vamos tratar do COMO – que é a maneira de solucionar o problema.

Então, não deixe de se cadastrar como um Amigo da Ciência Divina e receber em primeira mão as atualizações de nosso site, blog e redes sociais.

Faça parte desse egrégora, comece aprendendo para que em pouco tempo possa também ensinar alguém!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.