Quem somos?

MURPHY 4

Nossos cinco propósitos (quem nós somos):

       Nossa Igreja foi fundada com cinco propósitos:

  1. Transmitir os ensinamentos das Sagradas Escrituras através da visão do Cristianismo Positivista ao estilo do Dr. Joseph Murphy, Emmet Fox e outros grandes ministros e escritores do Cristianismo Positivista, como Jesus o ensinou..
  2. Permitir o ESCP (Estudo Sistemático do Cristianismo Positivista) a partir da própria casa do membro da nossa Igreja, sem a necessidade de ter que se deslocar para templos, igrejas, assembleias, cumprindo o ensinamento de Jesus que diz:
    “… entra no teu quarto e, fechada a porta, orarás a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará.” Mat (6.5)
  3. Permitir a prática do Dízimo Consciente, para a obtenção de todas as bênçãos que o dízimo proporciona àqueles que o praticam. Durante mais de dez anos nossa Igreja enviava mensalmente relatório informando onde foram gastos ou investidos cada centavo recolhido através do dízimo. Infelizmente como alguns de nossos fiéis passaram a enviar mais de uma contribuição de dízimo por mês isso começou a atrapalhar o envio do relatório mensal e atualmente adotamos o procedimento de enviar informações sobre o dízimo de cada fiel, quando solicitado por ele. Ou seja prestamos contas de tudo que fazemos.
  4. Incentivar a construção de recursos financeiros para todos os membros da igreja, segundo os ensinamentos de Jesus (“… conheceis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo, que, sendo rico, se fez pobre por amor de vós; para que, pela sua pobreza, vos tornásseis ricos.” II Cor 8.9) organizando e ensinando como redistribuir os rendimentos da igreja, através da pratica da Colportagem. A pratica da Colportagem é facultada (não é obrigatória, é facultativa) a todos os membros de nossa igreja, o que possibilita devolver a todos os membros que a praticarem um bônus das angariações obtidas através do ESCP. Os membros de nossa igreja que praticam nosso método de Colportagem, têm a oportunidade de angariar recursos financeiros e de viver em abundância, segundo o ensinamento bíblico: “… e a profunda pobreza deles superabundou em grande riqueza da sua generosidade.” (2 Cor 8.2) e: “Porque não é para que os outros tenham alívio, e vós, sobrecarga; mas para que haja igualdade, suprindo a vossa abundância no presente, …” (2 Cor 8.13,14)
  5. Ensinar a prática da oração e das boas obras considerando o ensinamento de Jesus: “… qual é o proveito, se alguém disser que tem fé, mas não tiver obras?”
    (Tiago 2.14)

Para se tornar membro de nossa igreja, obtenha informações, clicando AQUI.

Nossos Sonhos Iniciais quando fundamos a Igreja no Brasil:

É evidente que o primeiro dever de uma igreja é com a palavra de Deus, assim sendo, a Igreja da Ciência Divina sempre dedica parte dos recursos angariados através do Dízimo para a divulgação da palavra de Deus e para que cada um tenha a oportunidade de aceitar a Jesus como seu Salvador.

Outra parte de nossas angariações é destinada à divulgação da própria Igreja, visto que é, através do aumento do número de nossos filiados que conseguimos os recursos necessários para implantar as obras sociais que são os Nossos Sonhos.

“Por seus frutos os conhecereis. Porventura, colhem-se uvas dos espinheiros ou figos dos abrolhos? Assim, toda árvore boa produz bons frutos, e toda árvore má produz frutos maus.” Mt 7.16,17

“Ou dizeis que a árvore é boa e o seu fruto, bom, ou dizeis que a árvore é má e o seu fruto, mau; porque pelo fruto se conhece a árvore.” Mt 12,33

 “E outra caiu em boa terra e deu fruto: um, a cem, outro a sessenta, e outro, a trinta.”  Mt 13,8

É quando persistimos no caminho do Dízimo que Deus pode avaliar nossa integridade e o nível de aceitação e prática de Sua palavra em nossa vida.

O dízimo é o divisor de águas entre os falsos cristãos e aqueles que realmente levam a sério os mandamentos do Senhor.

É por isso que o dízimo é tão importante.

O dízimo proporciona à igreja, a chance de fazer frente às necessidades materiais para mantê-la e para manter as obras sociais que ajudam a tornar as provações deste mundo mais suportáveis para as pessoas que não tiveram a seu dispor as mesmas oportunidades que outras.

Assim sendo, eram Nossos Sonhos e pretendíamos que fossem implantadas aos pouquinhos, diversas iniciativas de ordem social, que buscavam atender às necessidades mais prementes de nosso povo e por algum tempo destinávamos os dízimos angariados a obras sociais mantidas por instituições reconhecidamente honestas e que proporcionavam benefícios sociais ao povo brasileiro.

Com o tempo voltamos nossas iniciativas de doação do valor angariado através do dízimo para atender as necessidades do povo de nossa Igreja através do envio dos brindes proporcionais aos Dízimos recebidos, de forma automática.

Todos os brindes que nossa Igreja oferece aos fiéis serão enviados mesmo quando não solicitados.

Os que não se interessarem pelos conteúdos oferecidos poderão descarta-los e nem precisarão nos comunicar esse fato.

Adotaremos um novo procedimento em relação ao curso A REGRA DE OURO:

Nossa Igreja entende que todos os bens materiais assim como os bens espirituais provem de Deus, tudo pertence a Deus e é Ele que nos enseja possuirmos ou não o que quer que venhamos a ter ou a conquistar, seja por nossos esforços, seja por nossos méritos, seja por complacência divina.

Assim sendo, consideramos importante que nossos fiéis tenham a oportunidade de conquistar a prosperidade.

Entendemos que os bens que nosso planeta dispõe estão ao alcance de quem os desejar, mas se os bons, os fiéis, os tementes a Deus, não os conquistarem, serão conquistados pelos maus, os infiéis, os que não temem nem creem em Deus.

E é por isso que o primeiro brinde que enviamos a todos os nossos fiéis é sempre o curso A REGRA DE OURO que ensina a conquista da prosperidade através de caminhos práticos e experimentados.

Porém, como os brindes de nossa Igreja são enviados por mérito, ou seja são proporcionais às doações dos dízimos que angariamos, procuramos e encontramos graças a uma inspiração que certamente proveio de Deus, uma maneira de atender os mais necessitados dentre nossos fiéis.

E quem são os mais necessitados de nossos fiéis?

Aqueles que enviam Dízimos de menor valor, já que o Dízimo é sempre a décima parte de tudo que recebemos no exercício de nossas profissões.

Acontece que nossa Igreja compra esses cursos e outros brindes que ofertamos a nossos fiéis e o curso A REGRA DE OURO tem o custo de R$ 250,00 e os fiéis que mais necessitam dele e que contribuem com Dízimos de pequeno valor demoram a perfazer essa quantia.

Decidimos então que esse curso, por ser especialmente necessário aos nossos fiéis necessitados, será enviado por partes visto que tem 5 volumes e cada volume sairia ao custo ideal de apenas R$ 50,00.

Dessa forma os fiéis mais necessitados terão a oportunidade de receber esses ensinamentos preciosos, capazes de transformar para melhor seus recursos financeiros, de forma antecipada e sistemática sendo ajudados mais rapidamente.

E faremos mais para podermos cumprir o princípio da medida sacudida, recalcada e transbordante:

            “… dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos darão; porque com a medida com que tiverdes medido vos medirão também.” Lc 6:38

Vamos analisar parte por parte dessa citação bíblica para obter dela uma maior compreensão em relação aos procedimentos de nossa Igreja.

“… dai, e dar-se-vos-á;

Até o ano passado, nossa Igreja doava todo o Dízimo angariado a instituições de caridade, que atendia crianças carentes, moradores de rua e outros tipos de necessitados em várias regiões do Brasil.

Mas muitas pessoas que recebiam esses benefícios não eram gratas, não respeitavam a Deus e à sua palavra, não ofereciam ao mundo nenhuma contribuição social.

Fomos alertados para isso por diferentes pessoas que nos afirmaram que não estávamos auxiliando a ninguém quando procedíamos com essas doações.

Autoridades constituídas nos fizeram ver que ao alimentarmos moradores de rua estávamos apenas fomentando o crime, pois essas pessoas em nada contribuíam para o bem social e as autoridades nos incentivaram a ajudar apenas aqueles que fizessem por merecer e que doassem em troca algum benefício social.

Por muitos meses ficamos aflitos em busca de uma solução para esse problema e finalmente a encontramos nessa passagem do Evangelho de Lucas.

As palavras dessa passagem estão bem claras devemos doar, mas devemos doar para os que dão (… dai e dar-se-vos-á) ou seja quem são as pessoas fiéis e tementes a Deus que dão?

Os Dizimistas!
E onde os encontramos?
Em nossa própria Igreja!

A partir de então cessamos de enviar nossas doações a pessoas estranhas, não tementes a Deus, e que nada doam em benefício da sociedade e passamos a transformar os Dízimos que recebíamos em benefícios a nossos fiéis, através de empréstimos e brindes.

“boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos darão;”

Compreendemos essa parte da citação como entregar mais do que recebemos, muito mais quando possível.

Aprendi sobre a medida recalcada quando menino (quem redige este relato é o Pastor Marco Natali).

Na parada do bonde, na Praça João Mendes em São Paulo, havia uma senhora que ficava sentada em um caixote e vendia amendoins torrados.

Não me lembro mais quanto ela cobrava, mas acho que era um tostão (nome que se dava para a moeda de 20 réis).

Só que ao dar a moeda para ela, ela pegava uma latinha de massa de tomate, enchia com amendoins, e a sacudia (sacudida), depois apertava um pouco mais o conteúdo (recalcava) e colocava um pouco mais (transbordante) e me entregava.

E isso era muito generosidade (generosamente vos darão) da parte dela, pois haviam outros que vendiam o mesmo, mas passavam uma régua na boca da lata, e tudo que sobrava era devolvido para o saco de origem.

Mas ela não estava nos dando, ela era paga por essa porção mesmo que generosa.

Assim também a Igreja não está lhe dando, mas está fazendo mais do que fazia aquela senhora, pois nossa Igreja está lhe devolvendo o valor integral de seu Dízimo em benefícios.

E isso serve de princípio de prosperidade para você também, seja qual for o tipo de trabalho que você exerça, procure dar mais do que lhe pagam.

Por exemplo, quando compro gás, recebo do rapaz que traz o bujão, algum tipo de vasilha plástica como brinde.

Antigamente quando você fazia compras no armazém, o comerciante do caixa lhe dava algumas balinhas junto com o troco.

Procure dar sempre algo a mais do que lhe pagam e você será um profissional ou um comerciante muito apreciado pelo público consumidor.

Cito como exemplo meu Coaching de emagrecimento (uma das atividade profissionais que exerço), quando uma pessoa contrata meus serviços de Coaching recebe de lambuja as 6 apostilas de meu curso EMAGRECER PARA A VIDA.

Essas apostilas são o algo a mais com que brindo meus clientes, a tal medida, recalcada, sacudida e transbordante.

Procure fazer o mesmo em sua profissão e com certeza se tornará mais bem sucedido.

“porque com a medida com que tiverdes medido vos medirão também.”

Note bem que quem não contribui com o Dízimo para nossa Igreja não recebe nada de nós, porque “não mediram e os mediremos na mesma medida.”

Assim também os que doam mais recebem mais, pois devemos fazer tudo em espírito de justiça, como recomenda essa passagem.

Mas isso não significa que devamos ser mesquinhos, portanto sempre estaremos devolvendo muito mais do que o que recebemos.

Por exemplo, além dos brindes que enviamos estamos também proporcionando a nossos fiéis sessões de Coaching voltadas à sua evolução espiritual.

E faremos mais, muito mais.

Por exemplo, estenderemos esses proveitos, retroativamente a qualquer um que tenha permanecido em nossa Igreja.

Ou seja, os fiéis que contribuíram com seus Dízimos nos meses anteriores deste ano de 2016, mesmo que suas doações não tenham atingido o valor do curso A REGRA DE OURO receberão os volumes proporcionais a suas doações para que tenham a oportunidade de caminhar antecipadamente em direção à prosperidade.

A medida que Deus nos inspira criamos melhores e maiores benefícios para todos os nossos Fiéis.

Esta é uma Igreja que pensa em você.

Que Deus abençoe tudo que os dízimos doados têm feito por nossa Igreja e que essa bênção se estenda aos dizimistas e às suas famílias.

Para se tornar membro de nossa igreja, obtenha informações, clicando AQUI.

 PARA QUEM ESTÁ EM DIFICULDADES FINANCEIRAS:

Se você está em dificuldades financeiras, nós lhe oferecemos duas soluções fáceis agora mesmo: (Atenção: As soluções que apresentamos a seguir são opcionais, para participar de nossa igreja você não precisa praticar nenhuma destas duas soluções.).

Antes de obtermos informações sobre as duas soluções, vamos refletir:

Algumas pessoas entram em contato com nossa Igreja, manifestam a intenção de se inscreverem em nosso curso (veja Como Começar clicando aqui), mas acham que não conseguem dispor mensalmente do valor do dízimo.

Se você refletir de forma honesta verá que o dízimo é muito mais correto do que um valor fixo.

Vou citar um exemplo: quando eu era jovem eu trabalhava para me sustentar (morava sozinho e não recebia ajuda financeira de minha mãe que era viúva) e para pagar minha faculdade – eu fazia Psicologia na então Faculdade (hoje Universidade) São Marcos no bairro do Ipiranga em São Paulo.

Naquele tempo o dinheiro era outro mas vamos raciocinar em reais para que você possa entender a mensagem.

Digamos que eu ganhasse o equivalente a R$ 1.500,00 de salário, a faculdade me custava R$ 1.000,00 e eu tinha que custear minha vida (morar, comer, me vestir, pagar a condução, enfim sobreviver) com os R$ 500,00 que me restavam.

Enquanto eu lutava e passava por muitas provações para pagar a faculdade haviam outros alunos que dirigiam grandes carrões.

Tanto eles quanto eu pagávamos o mesmo preço pelo mesmo curso.

Suponhamos que esses alunos ricos ganhassem R$ 8.000,00 por mês, eu ganhava apenas uma fração do que eles ganhavam.

Se a faculdade fosse cobrada pelo valor do dízimo, eu pagaria apenas R$ 150,00 pelo curso e poderia viver uma vida menos sacrificada com os R$ 1.350,00 que me restariam para as demais despesas, podendo inclusive enviar uma parte para ajudar minha mãe, como muitos jovens fazem.

Por outro lado os garotos ricos pagariam mais do que eu, se ganhassem R$ 8.000,00 pagariam R$ 800,00 pelo mesmo curso mas lhes restaria R$ 7.200,00 que era mais do que eu ganhava em quatro meses de trabalho!

Nosso curso não é pago, ele é dado de graça para os membros de nossa Igreja e para se tornar membro de nossa Igreja, como somos cristãos verdadeiros, todos doamos o dízimo.

Mas o dízimo é igualitário pois é proporcional ao que cada fiel ganha, ninguém contribui com mais do que o outro porque é sempre no valor de dez por cento do que a pessoa ganha mensalmente.

Nossa Igreja não interfere no processo, o dízimo é um assunto entre você e Deus.

O dízimo não é um pagamento, é uma doação, algo que devolvemos ao Universo e à vida como reconhecimento pelas boas coisas que Deus nos dá, inclusive nossas vidas e as vidas e a saúde das pessoas que amamos.

Sendo cristãos verdadeiros doamos o dízimo porque é o que Jesus ensinou na Bíblia.

Ninguém doa mais do que outro pois as doações são proporcionais aos ganhos, o que é perfeitamente justo e se eu tivesse tido essa oportunidade certamente teria continuado minha formação na Universidade São Marcos mas como o curso foi para R$ 1.500,00 a partir do segundo ano, tive que mudar de faculdade e fui para a Paulistana que era mais em conta.

Primeira Solução:

Pensando nessas pessoas que estão passando por Dificuldades Financeiras, nossa Igreja passou a distribuir gratuitamente o livro UM ATALHO SIMPLES PARA A RIQUEZA (Que você recebe GRÁTIS quando clica neste link).

Temos a esperança que aplicando os ensinamentos contidos nesse livro, você consiga melhorar seu desempenho financeiro a ponto de conseguir enviar seu dízimo mensal, sem maiores dificuldades.

Mas oferecemos a você outra solução para que resolva seus problemas.

Segunda Solução:

Aperte o cinto, economize um pouquinho e inscreva-se em nossos estudos, enviando seu cadastro e o seu dízimo e receberá já com seus estudos iniciais, três folhetos de divulgação, discretos, inteligentes e objetivos que você pode imprimir e que tem um lugar para você escrever seu número de registro em nossa Igreja (esse número é seu número de inscrição que você recebe com a primeira remessa de seus estudos).

O único esforço que terá que fazer (sua primeira Solução Fácil) é distribuir esses folhetos entre seus amigos ou amigas.

Quando qualquer pessoa indicada por você se inscrever nos estudos de nossa Igreja (enviando os dados de cadastro, citando seu nome ou seu número de inscrição como a pessoa que a indicou e enviando o primeiro dízimo, enviaremos a você imediatamente um bônus por tê-lo apresentado.

Esse método chama-se colportagem e só forneceremos mais detalhes a respeito para quem se inscrever em nossos estudos, assim que se inscreva solicite e lhe será enviado um Manual a respeito inteiramente Grátis.

Sendo uma pessoa criativa e distribuindo cópia das matrizes dos folhetos que receberá em sua primeira remessa, com discernimento, você poderá aumentar sua renda mensal com os bônus que lhe enviaremos o que vai tornar mais fácil contribuir com seu dízimo.

Qualquer pessoa pode ampliar seus ganhos ao participar dos estudos de nossa Igreja, desde que distribua os folhetos e traga pessoas que se inscrevam nesses mesmos estudos.

A Colportagem pode conduzir você à independência financeira.

Uma das intenções dos fundadores de nossa igreja era proporcionar aos membros ativos a oportunidade de usufruir das riquezas que são abundantes neste universo de Deus, para quem compreende suas leis e as aplica de forma diligente.

“Porque não é para que os outros tenham alívio, e vós, sobrecarga, mas para que haja igualdade, suprindo a vossa abundância no presente…” 2 Cor 8.13,14

Obtenha abundância em sua vida através de nosso sistema de colportagem.

EM BUSCA DA ABUNDÂNCIA HONESTA

Desde menino eu lia a Bíblia e tinha muita vontade de dedicar minha vida ao Senhor.

Na época por influência de minha mãe pertencia à religião católica, embora não estivesse muito satisfeito com ela.

Assim sendo fui procurar alguma outra religião que atendesse melhor minhas necessidades.

Foi por essa época que comecei a ler os textos de alguns dentre as centenas de autores e autoras do Cristianismo Positivista: Catherine Ponder, Emmet Fox, Joel Goldsmith, Dr. Joseph Murphy, Dr. Norman Vincent Peale, Louise Hay, etc.. que pertenciam, cada qual a denominações religiosas diferentes mas que compartilhavam a visão positivista do cristianismo.

Desde então surgiu dentro de mim a sementinha do interesse em trazer para o Brasil o Cristianismo Positivista, que é conhecido nos Estados Unidos com o nome de Ciência Divina.

Só que haviam várias etapas a serem vencidas ainda, tive que estudar esses autores, tive que aprender muito sobre a vida e tive que me formar em teologia.

Já estudava esses assuntos há mais de 30 anos e ainda não havia encontrado a solução para um problema que necessita de uma resposta válida: é muito difícil que alguém se dedique de fato à busca de Deus, quando tem que passar a maior parte de seu dia, dedicado a uma atividade, às vezes mesquinha, para conseguir dinheiro para sobreviver.

Pratico o dízimo há muito tempo, não só em termos financeiros como também em termos de meu tempo, de minha dedicação e de meu trabalho.

Faço isso porque sei da importância dessa pratica para alguém que pretenda ser considerado cristão, mas nunca estive bem certo que as religiões que recebiam minha contribuição em dinheiro ou em trabalho voluntário realmente as estivessem utilizando de maneira apropriada.

Foi então que, depois de muitos anos, recebi a inspiração que buscava e encontrei o apoio de pessoas interessadas e as soluções necessárias para implantar a Igreja da Ciência Divina no Brasil.

Um grande problema do nosso povo no Brasil é a pobreza, a indigência, a inadimplência, a dificuldade financeira que destrói famílias, que conduz aos vícios que afasta o homem de sua busca a Deus.

Haveria algum meio que pudesse trazer às pessoas necessitadas, uma abundância financeira obtida por meios honestos?

Havia sim e a solução estava na Bíblia!

Você certamente já ouviu falar que, antigamente, apenas os padres e os nobres sabiam ler e escrever.

Essa informação é relevante se você considerar que esse tipo de conhecimento permitia àqueles que o possuíam, dominar o povo, às vezes de maneira autoritária e cruel.

Durante muitos anos, determinada religião que surgiu a partir do cristianismo primitivo, desvirtuou o caminho das escrituras e passou a vender indulgências para que as pessoas quando morressem não se vissem condenadas ao inferno e ao castigo eterno.

Essas e outras falácias (enganos com ar de verdade) só conseguiam ser impostas ao povo, porque ninguém sabia ler, exceto os que detinham o poder.

Foi então que – certamente você também já ouviu falar dele – Gutemberg inventou a imprensa e imprimiu a primeira Bíblia.

Até então, cópias da Bíblia eram feitas a mão pelos monges.

Surgiu então uma nova atividade, a de colportor.

O colportor é aquele que pratica a colportagem, ou seja, que divulga a palavra de Deus, a Bíblia e demais literaturas sagradas.

Até a invenção da imprensa, não se comercializavam textos sagrados, mesmo porque não havia quem os lesse.

A história conta que alguns nobres guardavam alguns livros como um tesouro a ser mantido a sete chaves.

Mas, apesar de possuírem livros, não sabiam ler!

Em ocasiões festivas especiais, um monge era convidado para ler esses livros na presença dos convidados.

COLPORTAGEM UMA PRÁTICA CRISTÃ

Embora o termo colportagem esteja atado à comercialização da Bíblia e de outras obras sagradas, desde o surgimento da imprensa, certamente é uma extensão da recomendação de Jesus:

“Ide por todo mundo, pregai o evangelho a toda criatura.” Mc16.15

O sistema costumeiro de colportagem de outras igrejas consiste em formar duplas de fiéis que passam a visitar residências e incentivar seus moradores a adquirir literatura evangélica e a virem para os cultos.

Mas em nossa igreja você não precisa fazer isso, nem mesmo é obrigado a praticar a colportagem.

Você vai aprender a praticar a colportagem apenas se quiser, de maneiras muito mais simples que lhe serão ensinadas no Manual de Colportagem.

Uma de minhas grandes preocupações, ao implantar a Igreja da Ciência Divina no Brasil era proporcionar aos membros ativos a oportunidade de usufruir das riquezas que são abundantes neste universo de Deus, para quem compreende suas leis e as aplica de forma diligente.

 “Riquezas e honra estão comigo; bens duráveis e justiça.” (Prov 8.18)

“Melhor é o meu fruto do que o ouro, do que o ouro refinado; e o meu rendimento, melhor do que a prata escolhida.” (Prov 8.19)

 “… para dotar de bens os que me amam e lhes encher os tesouros.” (Prov 8.21)

Com esse objetivo foi criado nosso sistema de colportagem, que consiste em convidar seus parentes e conhecidos a se tornarem membros de nossa igreja e a participarem de nossos estudos (ESCP).

Você faz isso de uma forma bem simples: distribuindo entre parentes, amigos e conhecidos impressos de divulgação onde constem informações básicas sobre a filiação em nossa igreja.

Você recebe três deles na primeira remessa e pode imprimi-los .

Escreva seu número de colportagem (que você recebe ao se inscrever nos estudos de nossa Igreja) nos impressos que distribuir, facilitando aos novos membros, o envio de informações a seu respeito, para que possamos encaminhar a você os bônus da colportagem, (Tudo está explicado no Manual que lhe será enviado mediante solicitação depois que você se inscrever em nosso curso)  segundo os seus esforços.

A ideia toda é bem simples: praticar a colportagem, em nossa igreja, consiste em divulgar nossos ensinamentos, através dos impressos que lhe fornecemos, ou através de qualquer outro meio honesto que permita às pessoas de seu relacionamento, entrarem para a nossa igreja.

Pense no bem que você faz, quando ajuda a divulgar a palavra de Deus e nas bênçãos que certamente lhe advirão!

“… dai e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos darão;” (Lc 6.38)

 “… porque digno é o trabalhador do seu alimento.” Mt 10.10

“… bem lhes irá; porque comerão do fruto de suas ações.” (Is 3.10)

Nas Igrejas tradicionais quando você convida alguém a participar, você está trazendo essa pessoa ao Evangelho e está dando a ela a chance de aceitar Jesus como Salvador.

Esse é o maior gesto cristão que pode ser feito.

Em nossa Igreja quando você convida alguém a participar, você está trazendo essa pessoa ao Evangelho, está dando a ela a chance de aceitar Jesus como Salvador e está melhorando suas condições de sobrevivência financeira.

Por que não deveria ser assim?

Por que os bons não podem ganhar benefícios materiais, além dos benefícios espirituais pela bondade que praticam?

“Se nós vos semeamos as coisas espirituais, será muito recolhermos de vós bens materiais?” 1Co 9:11

“Portanto comerão do fruto do seu procedimento…” Pv 1:31

“Dizei aos justos que bem lhes irá; porque comerão do fruto de suas ações. Is 3:10

 “O ceifeiro recebe desde já a recompensa e entesoura o seu fruto para a vida eterna; e, dessarte, se alegram tanto semeador como o ceifeiro.” Jo 4:36

 “Quem planta a vinha e não come do seu fruto?” 1Co 9:7

Todo bem provém de Deus, assim sendo, os benefícios que resultam da prática do bem, também provém de Deus.

Para poder participar de nosso sistema de colportagem, você precisa se filiara e pertencer à nossa Igreja, ninguém pode participar da colportagem, sem participar de nossa Igreja.

Mas a prática da colportagem não é imposta a ninguém, você pode participar de nossa Igreja sem praticar a colportagem, só pratica a colportagem quem quer, nenhum membro da Igreja é obrigado a isso.

Para se tornar membro de nossa igreja, obtenha informações, clicando AQUI

Para receber alguns pequenos presentes de nossa Igreja, gratuitamente clique aqui.