Perguntas

MURPHY 6

F.A.Q. (Frequently Asked Questions)
Perguntas frequentes que recebemos e suas respostas.

Cada vez que alguém nos envia uma pergunta (nova) por e-mail, responderemos ao remetente. Quando a pergunta apresenta algum tema comum ou relevante, incluímos a pergunta aqui, para ajudar a esclarecer as pessoas que visitam nossa página. Assim sendo, esta página está continuamente em construção.

Clique AQUI para enviar sua pergunta.


Não pertence o Dízimo à lei de Moisés e nós que estamos sob a graça, que somos cristãos, portanto renascidos em Cristo, não estamos isentos do Dízimo?

Jesus reafirmou a prática do Dízimo em Mateus 23.23. Mesmo que você tenha dificuldades em memorizar as citações bíblicas, esta é inesquecível, pois Deus, em sua infinita sabedoria, a colocou com a numeração fácil de memorizar, e muito difícil de esquecer. Quando alguém me apresenta esse argumento, simplesmente remeto essa pessoa para Mateus 23.23. “… devíeis, porém, fazer estas coisas, SEM OMITIR AQUELAS!” Ora, nesta passagem Jesus está admoestando os escribas e os fariseus que pagavam o Dízimo mas negligenciavam os preceitos mais importantes da Lei. Ele poderia, se o quisesse, ter dito que o Dízimo não importava, que o que importava era a justiça, a misericórdia e a fé. Mas Ele preferiu não dizer isso. Jesus foi bem claro: “… fazer estas coisas (DOAR O DÍZIMO), sem omitir aquelas!” Jesus não queria que parássemos de doar o Dízimo, se o quisesse, teve nessa ocasião a oportunidade de dizê-lo, mas não o fez, aliás afirmou exatamente que deveríamos fazer estas coisas. Jesus estava ciente do Dízimo de Zaqueu: “Senhor resolvo dar aos pobres a metade dos meus bens;” (Lc 19.8) Que é citado no Novo Testamento e cuja decisão agradou a Jesus. E se você se surpreende com um Dízimo de 50%, houve quem fizesse Dízimo de 100%, é só ler a passagem de Lucas 21.1-4. Ora, se o Dízimo é tão bem visto por Jesus nestas passagens que citei, por que deveríamos nos omitir? Que desculpas daríamos para fazê-lo e depois com que cara diríamos que somos cristãos, renascidos em Cristo? Só é verdadeiramente cristão aquele que doa o Dízimo.

“Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque dais o Dízimo da hortelã, do endro e do cominho e tendes negligenciado os preceitos mais importantes da Lei: a justiça, a misericórdia e a fé; devíeis, porém, fazer estas coisas, sem omitir aquelas!” (Mt 23.23)


Sou de formação e convicção cristã, membro assíduo de uma igreja evangélica presbiteriana e gostaria de tirar uma dúvida com você, irmão: por que há épocas em nossa vida, em que mesmo sendo cristãos, passamos por tribulações sucessivas que duram anos. Por que tudo o que plantamos parece que foi plantado em uma terra árida, sem nenhum adubo, onde nada prospera, onde tudo murcha como se estivesse exposto ao vento e ao sol. Por que as coisas são bem diferentes do que ensina o Salmo 1, que promete ao que medita na lei do Senhor que tudo o que fizer, será como a árvore plantada à beira do ribeiro e tudo prosperará. Em meu exemplo pessoal, contratos são quebrados, pessoas que dão apoio, falecem, outras são demitidas e tudo parece ser fruto de maldição. Não entendo mais nada. Isso não significa que eu saia dos pés do Senhor, ou dos ensinamentos e da prática cristã.

Quanto às tribulações, compreendemos que Deus não tenha criado o mal e que o mal só possa surgir como um erro da aplicação das leis divinas. Na física aprendemos que a luz pode ser mensurada, portanto tem existência, mas a escuridão não é mensurável, é apenas a ausência da luz. Assim também, o mal é a ausência do bem. Desculpe a ousadia da pergunta irmão, mas você tem doado o seu dízimo com regularidade? A prática do dízimo é uma oportunidade que Deus nos oferece para que obtenhamos bênçãos sem medida. Quanto ao Salmo 1, o prosperar é a observância das Leis do Senhor, mas como o salmista tão bem interpreta, há que meditar dia e noite na lei do Senhor. Tal meditação contínua, fatalmente conduz à busca da divindade em nós e, em assim sendo, desaparece o “eu” e as necessidades do “eu”. Fica difícil descrever tais coisas sem um profundo conhecimento do Cristianismo Positivista, mas, creia, tudo que lhe acontece pertence ao Senhor. Há muito mais do que apenas conseguirmos o sucesso no mundo segundo os padrões de nossos egos. Considere que um em cada seis discípulos de Jesus, o traiu, por que deveríamos esperar melhor sorte? Jesus, com certeza, meditava continuamente nas Leis do Senhor e nem por isso deixou de ser crucificado. Há um destino maior que o mero destino humano, Há a vontade do Pai que é justa e perfeita. Mesmo algumas pessoas que como você disse: não saem dos pés do senhor ou dos ensinamentos e da prática cristã, podem ter ainda algum ego dentro de si e podem ainda estar vivendo para conseguir alguma coisa, acreditando que sejam capazes de realizar algo por si, ou para si, quando na realidade só conseguimos realizar alguma coisa quando realizamos algo com Deus e para Deus. Temos que olhar menos para nossas feridas e mais para a vontade de Deus. A Bíblia é formada de muitos livros, escritos por autores diferentes. Mesmo acreditando que seja um livro sagrado que traz a mensagem de Deus aos homens, é preciso notar que cada um dos autores bíblicos, embora irmanados pela mesma fé, estava em diferente escala evolutiva.
O salmista que escreveu o Salmo 1, revela possuir ainda muita ambição dentro de si, pois se preocupa com os resultados de suas ações e termina o Salmo 1, reclamando resultados pessoais para as ações: “e tudo quanto ele faz será bem sucedido.” Melhor seria se praticasse um ensinamento de um nível mais alto, como aquele que diz: “Quanto a viver, vive para Deus.” Rm 6.10 Aprender a vida impessoal, buscando primeiro as coisas do reino de Deus é a única tarefa que nos pertence. Deus nunca quebrou seu contrato conosco… Que as bênçãos do Senhor, se tornem costumeiras em sua vida!

“Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto na estação própria, e cujas folhas não caem, e tudo quanto fizer prosperará.” Sl 1.3

“Quanto a viver, vive para Deus.” Rm 6.10

“Mas buscai primeiro o Reino de Deus, e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas.” Mt 6:33


Do Dr. Murphy já li duas obras: “O Poder do Subconsciente” e o “O Poder Cósmico da Mente”. Mas pelo que pude entender, ler suas obras por si só não seria suficiente. Eu teria que coaduná-las aos ensinamentos da Igreja da Ciência Divina. Correto? Isso me levou a crer que a aquisição das obras de Dr. Murphy me teriam sido pura perda de tempo.

As obras do Dr. Murphy são muito elogiadas no mundo todo e tiveram centenas de edições em vários países, inclusive no Brasil. Quanto a ser suficiente, é preciso primeiro definir o que é ser suficiente. Algumas pessoas leem as obras do Dr. Murphy e têm suas vidas transformadas; outras pessoas obtém curas e verdadeiros prodígios de natureza mental e espiritual; outras não conseguem obter absolutamente nada. Tudo depende do que cada um tem dentro de si; de como entendem o que leem; de como aplicam o que leem em suas próprias vidas. A única forma legítima de ensinar é através do exemplo (Exemplum Docet) e, é claro que, se o Dr. Murphy dedicava a maior parte de seu tempo à Igreja da Ciência Divina, evidentemente, que compartilhou seus conhecimentos com muito mais propriedade e extensão, com os membros dela que tiveram o prazer de conviver com ele prime facie.


O Dr. Murphy foi o criador da Igreja da Ciência Divina nos Estados Unidos? A quanto tempo ela existe em seu país?

A Igreja da Ciência Divina, foi criada em 1887, portanto onze anos antes do nascimento do Dr. Murphy. Originalmente denominada Home College of Divine Science foi criada por uma senhora chamada Malinda Elliott Cramer, filha de pais Quakers, a sétima filha entre onze irmãos. A Igreja existe nos Estados Unidos e em vários outros países, há 129 anos portanto (em 2016). A sra. Cramer é considerada uma das grandes líderes do assim chamado New Thought Movement que deu origem ao Pensamento Positivo ou o assim denominado, Cristianismo Positivista.


Quando a Igreja foi fundada no Brasil? Por quem? Por que a escolha do Brasil para sediá-la? Por que a escolha da cidade de Sorocaba?

Nossa Igreja foi fundada no Brasil no início do ano 2000 mas passou a ter sua entidade jurídica reconhecida no dia 23 de Julho de 2004. Foi fundada por um grupo de admiradores do Novo Pensamento, entre eles, nosso orientador, o Pastor Harold Hobbes, irlandês de nascimento (como o Dr. Murphy). O Brasil não foi escolhido para sediá-la, já que a Igreja existe em vários países. Aliás demoramos muito a ter uma igreja do Novo Pensamento por aqui. A igreja foi fundada originalmente em Itú. Nenhuma cidade em particular foi escolhida, já que todas igrejas pertencem a Deus e não aos homens, calhou de ser fundada em Itú, porque era onde residiam seus fundadores. Com o falecimento do reverendo Hobbes, a congregação elegeu o pastor Marco Natali como principal orientador.


 

Por que a Igreja da Ciência Divina é tão pouco divulgada no Brasil? (até o site que a divulga é muito simplório)

Usamos todos os recursos que dispomos, da melhor forma possível para divulgar nossa Igreja. A questão é que, preferimos utilizar os recursos que dispomos não para a divulgação de nossa Igreja e sim para as obras sociais. Confiamos a divulgação de nossa Igreja a nossos fiéis e os recompensamos por isso ofertando a eles o Bônus Padrão através da Colportagem. Permitir que nossos fiéis se incumbam dessa tarefa lhes dá a oportunidade de cumprir um dos pedidos de Jesus que consiste em divulgar a palavra. Isso enseja a eles um estados de paz e realização interior que só é alcançado por aqueles que se esforçam por permitir que a presença de Deus alcance as pessoas deste mundo. Não estamos interessados em dispor de nossos recursos para fazer uma divulgação de maiores proporções. Nossa força de divulgação são os próprios membros de nossa Igreja. Nosso site é realmente simplório. Mas a intenção é essa mesmo, não desejamos atrair pessoas que estejam interessadas em notoriedade e aparência. A finalidade de uma igreja é divulgar a palavra de Deus.

“E disse Jesus: As raposas têm covis, e as aves do céu têm ninhos, mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça.” Mt 8.20


O ESCP segue a mesma linha das obras de Joseph Murphy?

Não só a linha do Dr. Murphy, como também a linha de outros autores de nossa igreja. Mas, devido a preferência pessoal de nosso orientador inicial, o Pastor Hobbes, preferencialmente a linha do Dr. Murphy.


 

Para quem, ou por quem, devemos orar?

Em suas andanças pelos Estados Unidos, nosso orientador o pastor Marco Natali encontrou uma orientação sobre a oração, que denominou a ORAÇÃO DOS CINCO DEDOS; vamos compartilhá-la com você:
1 – Seu polegar é o dedo que está mais próximo de você e se deixar seus braços caídos ao longo do corpo, ele sempre aponta para você. Assim sendo, comece suas orações orando por aqueles que estão mais próximos de você. É muito fácil nos lembrarmos de quem amamos e é um verdadeiro prazer orar por eles.
2 – O dedo que fica ao lado do polegar é o indicador. É o dedo que usamos para apontar. E nos lembram de pessoas que nos apontam o caminho correto em nossas vidas. Esse dedo nos ensina a oração de gratidão. Orar por aqueles que ensinam, instruem e curam. Isso inclui pastores, ministros e orientadores de sua igreja; dentistas, médicos e enfermeiros. Essas pessoas precisam de apoio e sabedoria para orientar as pessoas na direção certa. Sempre lembre-se delas em suas orações.
3 – O próximo dedo é o dedo médio que é também o maior dedo de nossa mão. Ele nos lembra de nossos líderes. Ore pelo presidente do seu país; pelo dono da empresa em que você trabalha; pelo seu chefe. Essas pessoas são responsáveis pelos destinos do país em que vivemos; pelos nossos empregos e indiretamente por tudo que conseguimos proporcionar aos que amamos. Eles necessitam da orientação de Deus para que exerçam suas funções com ética, com dedicação, com amor.
4 – O quarto dedo é o anular (o dedo onde se colocam os anéis) e esse dedo, embora poucos saibam é o nosso dedo mais frágil, como qualquer professor de piano poderá lhe dizer. Ele nos lembra de orar pelas pessoas que estão doentes, com problemas, com dores. E também por nosso cônjuge, marido ou espôsa que nos acompanham na jornada por este mundo e por extensão, também para nossos filhos que também são nossos companheiros de jornada. Essas pessoas sempre necessitam de nossas orações e jamais conseguiremos orar demasiadamente por elas.
5 – E finalmente vem o dedo mínimo que é o menor de todos os dedos. Esse dedo que é o dedo que mais aponta para fora de nós quando estamos com os braços esticados ao longo do corpo, nos lembra de entrarmos em interação com as outras pessoas e também nos lembra que “Os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos.” Mt 20.16 O dedinho, lembra você de orar por si mesmo, menos para pedir e mais para agradecer. Enquanto você orava pelas pessoas representadas pelos quatro dedos anteriores, colocou suas próprias necessidades dentro de uma perspectiva mais apropriada. Isso o tornou capaz de orar por si mesmo de uma maneira mais eficaz. Agora pare de ler e faça a oração dos cinco dedos, verá como sua vida passa a adquirir uma luz mais especial quando o faz. E acima de tudo, quando chegar ao dedo mínimo lembre-se de agradecer.

Muito obrigado por esta sua pergunta, algumas das perguntas que nos fazem, buscam atender necessidades pessoais e egoístas, gostamos de perguntas que se voltam às necessidades das outras pessoas. Esse é o verdadeiro espírito cristão.


 

Eu já vi muitos tipos de produtos sendo comercializados através do sistema de Marketing de Rede, mas literatura religiosa é a primeira vez. O que vocês têm a dizer sobre isto? Humberto Caulo

Prezado Sr. Humberto. Obrigado por solicitar informações, espero lhe ser útil. Quando o Sr. se referiu a ter visto “muitos tipos de produtos sendo comercializados através do sistema de Marketing de Rede”, pude supor que houvesse iniciado sua pesquisa ao contrário, sabendo-se que no Brasil poucas centenas de empresas com esse tipo de marketing são conhecidas e considerando-se que existem milhares delas nos países do Primeiro Mundo. O que quero dizer sobre pesquisa ao contrário é muito simples: quem criou o marketing de rede (em inglês network) foi a Igreja e não o contrário. A primeira vez em que a palavra network foi mencionada na imprensa, foi no Dicionário Oxford, como tendo surgido no ano 555 da Era Cristã. A palavra network em sua origem significa “rede de auxilio social” ou, se preferir, “rede de trabalho” e foi utilizada pelas igrejas primitivas para auxiliar o próximo em ocasiões de enchente e outros desastres naturais. A igreja (como instituição, independente de sua denominação) não se apropriou de um termo comercial, foram os comerciantes que se apropriaram de um termo da igreja. Como vê, ao tomar conhecimento do fim da história, houve perda do conhecimento da origem do termo. O Dr. Carl Rehnborg, em 1941 resgatou o termo network que era, até então, usado apenas pelas igrejas, para criar um sistema de marketing que, na ocasião (tendo apenas dois níveis de profundidade), era chamado de Network Marketing e mais tarde, quando a Amway comprou a empresa dele, foi modificado para Multilevel Marketing. A empresa original do Dr. Carl era a Nutrilite Products Inc, hoje uma subsidiária da Amway Corporation. O objetivo da igreja ao criar a palavra network foi a intenção de auxiliar o próximo cumprindo os três mandamentos de Jesus. Nossa igreja está reconduzindo o network às suas origens, para prestar auxílio à nossa comunidade através da redistribuição dos valores angariados através do dízimo e, last but not least para criar a condição de permitir aos pastores de nossa igreja, sustentarem-se a si mesmos e suas famílias sem onerar o dízimo da igreja com salários pagos a pastores. Além do que, o network oferece bênçãos ao povo da igreja, ao permitir às viúvas, aos órfãos, às pessoas sem recursos e aos desvalidos, complementarem seus parcos recursos com o simples esforços de conduzirem pessoas à igreja. Um dos membros de nossa igreja, só para citar um exemplo (entre muitos outros), auxiliava sua mãe, com os recursos gerados pela colportagem em nossa igreja. A mãe desse Sr. estava na faixa dos 80 anos de idade, muito enferma e, ela recebia duas aposentadorias; uma dela e outra de seu falecido esposo. Essas duas aposentadorias somavam na época em que estes fatos ocorreram R$ 1.200,00; essa Sra. pagava R$ 500,00 de aluguel; pagava R$ 480,00 de condomínio e lhe restavam R$ 220,00 para pagar uma empregada que cuidava dela, para ambas comerem durante todo o mês e para pagar o plano de saúde dela. Considerando que a empregada recebia um salário pouco maior que o salário mínimo da época (cerca de R$ 400,00) e que essa Sra. tinha que comer, tinha que comprar remédios muito caros e tinha que pagar o aluguel de um aparelho de respiração que ficava ligado o tempo todo, é fácil ver que se não fosse a ajuda prestada por seu filho, não teria condições de sobreviver. Poder-se-ia argumentar que talvez essa Sra. devesse dispensar a empregada, mas na idade em que estava, não tinha condições de sobreviver sem esse auxílio (levava muitos tombos e a cada nova queda era necessária uma nova internação hospitalar). E mesmo que o pudesse fazer, o que lhe restava de saldo após o aluguel e o condomínio não lhe permitiria sequer pagar o plano de saúde e sua alimentação. Países do Primeiro Mundo, como a Noruega, Suécia, Suiça, Kwait e outros, oferecem condições sociais para que os idosos tenham como se manterem, o mesmo não acontece no Brasil, onde o sistema de colportagem que nossa igreja oferece, se constitui em um apoio insubstituível. De mais a mais não estamos comercializando um produto. Estamos fornecendo estudos e outros apoios sociais absolutamente grátis a todos que sejam cristãos e como tal doem seus dízimos, como recomendava Jesus. Esse procedimento não é imposto a ninguém, é de livre escolha das pessoas que queiram se filiar à nossa igreja. Na esperança de ter levado esclarecimento e luz às suas dúvidas, agradecemos pela oportunidade de lhe sermos úteis. Fique na Paz do Senhor.


 

Não consigo entender essa diferença que vocês fazem entre Igreja e religião.

Essa “diferença” citada em sua pergunta, não foi “feita” por nós e sim pela Bíblia. Esse ponto é bem esclarecido através do ESCP (Estudo Sistemático do Cristianismo Positivista) mas vamos lhe dar dois exemplos interessantes. A palavra “religião” é citada na Bíblia apenas duas vezes. Uma dessas citações é feita por Paulo quando se refere à parte inicial de sua vida, antes de aceitar a Jesus, quando ainda praticava os costumes do Judaísmo. Veja em Atos 26.5. Naquele tempo a palavra “religião” era confundida com a palavra “superstição” e o nosso segundo exemplo cita versões da Bíblia que podem ser comparadas em português. Um dos tradutores mais aceitos por muitas religiões cristãs é João Ferreira de Almeida. Na segunda edição, revista e atualizada no Brasil, publicada pela Sociedade Bíblica do Brasil, lê-se em Atos 25.19 há referência às queixas dos “principais sacerdotes e anciões dos Judeus” citando o seguinte: “Traziam contra ele algumas questões referentes à sua própria religião…” Na Bíblia de Estudo Pentecostal, uma das Bíblias mais primorosas já publicadas em português, que é a que adotamos para nossos estudos, publicada pela CPAD (Casa Publicadora das Assembleias de Deus) que é a mesma tradução do João Ferreira de Almeida, vemos a mesma passagem, onde está mantido o seu sentido histórico original: “Tinham, porém, contra ele algumas questões acerca de sua superstição…” (At 25.19) Estamos respondendo sua pergunta com muito carinho e consideramos muito relevante sua dúvida. Para que fique em paz com sua consciência, e com qualquer religião que você pratique, sugerimos que considere e passe a praticar o conceito de religião expresso nesta passagem: “A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações e guardar-se da corrupção do mundo.” (Tg 1.27) Queremos lhe agradecer pela oportunidade que sua pergunta nos propiciou de esclarecer esse ponto tão importante e aproveitamos o ensejo para convidá-lo a se tornar membro de nossa Igreja. Pois nossa Igreja, seguindo o exemplo de Jesus, não discrimina nenhuma religião, desde que você aceite a Jesus como seu salvador e incentive a prática do amor e das boas obras.

“Não julgueis para que não sejais julgados…” (Mt 7.1)


 

As contribuições arrecadadas através de dízimos são aplicadas em alguma obra social aqui no país?

Em nossa igreja orientamos sobre a doação do dízimo, sem a cobrança que algumas religiões dedicam a esse tema, pois não utilizamos os recursos angariados através da prática do dízimo para pagamento de salários de pastores. Nossos pastores nada recebem por pregar a palavra de Deus e por suas outras funções pastorais, vivem da colportagem e dos direitos autorais de suas obras, cursos ou coachings que prestem a nossos fiéis como formas de devolver-lhes o valor total de suas contribuições como dizimistas. Todo o dízimo é destinado à divulgação da Igreja, à divulgação da palavra de Deus e a essas obras assistenciais. Cada dizimista tem a oportunidade quando solicitar de receber prestações de contas por escrito e tem acesso aos comprovantes e às notas fiscais. E, sim, os dízimos recolhidos em cada país em que nossa Igreja esteja presente são destinados às obras sociais nesse mesmo país. Obras sociais estas voltadas para os fiéis da Igreja que recebem a devolução de todo o valor de sua contribuição de dízimo na forma de benefícios.


 

Por que estudar por apostilas ao invés de ir ao culto?

Jesus afirmava que o verdadeiro encontro com Deus é feito no silêncio e na quietude de seu quarto. Não há necessidade de ostentação e de atos públicos. Só existem nos evangelhos duas passagens na vida de Jesus em que se cita que Ele tenha ido ao templo: a primeira quando Ele tinha 12 anos para interrogar os sábios que lá estavam e a segunda quando adulto, para bater em todos que estavam fazendo do templo um lugar de comércio. Nada temos contra a reunião dos membros da igreja, quando se reúnem para trocar ideias sobre a doutrina de quando em quando, fortalecendo sua fé e encontrando motivações para suas obras, mas o verdadeiro culto é feito através de nossas ações no dia a dia. Cada ato nosso é uma prece elevada a Deus; cada pensamento percebido em sua origem, de forma consciente, já é parte do cumprimento de Suas leis.

“… o acharam no templo, assentado no meio dos doutores, ouvindo-os e interrogando-os.” (Lc 2.46)

“… A minha casa será chamada casa de oração – mas vês a tendes convertido em covil de ladrões.” (Mt 21.13)

“Pois eu vos digo que está aqui quem é maior do que o templo.” (Mt 12.6)

“… o Altíssimo não habita em templos feitos por mãos de homens…” (At 7.48)

“O Deus que fez o mundo e tudo que nele há, sendo Senhor do céu e da terra, não habita em templos feitos por mãos de homens.” (At 17.24)

“Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?” (I Co 3.16)


 

Quem é o responsável pela igreja nos Estados Unidos?

Malinda Elliott Cramer veio a falecer em 2 de Agosto de 1906 devido a ferimentos ocorridos durante o grande terremoto de San Francisco. Depois de seu falecimento os membros da igreja espalharam-se por todo os Estados Unidos e mais tarde por todo o mundo. Não existe um líder máximo da igreja no momento, pois existem diferentes escolas dedicadas a divulgar o Novo Pensamento, mas existem grupos mais organizados. Só para mencionar, citamos a Divine Science Church and College de Denver, a Divine Science Federation International com sede em St. Louis e a Nortwoods Divine Science. O Pastor Hobbes que congraçou os interessados no Brasil, manteve durante alguns anos correspondência com membros das diversas igrejas que representam o pensamento original da Sra. Cramer e fundou a igreja no Brasil, fundamentado em suas pesquisas dentro das diferentes denominações.


 

Não existe tradução em português para a palavra “Colportagem”. Qual a origem da palavra “Colportagem”?

Colportagem é palavra usual em nosso idioma. Se você entrar no Google, por exemplo, existem cinquenta e nove mil e seiscentos resultados aproximadamente (dado atualizado em Março de 2016) a serem consultados só em nosso país. De origem francesa, a palavra denomina aquele que vai de porta em porta compartilhando a palavra de Deus. O colportor é um divulgador da palavra. Nos padrões tradicionais visita as casas e distribui literatura cristã. Em algumas religiões são vendedores de Bíblias e escrituras cristãs; em nossa igreja são distribuidores de folders e demais literaturas do Cristianismo Positivista. Devido à grande desigualdade social em nosso país, e à carência de recursos materiais que acomete grande parte de nossa população, nossa igreja decidiu distribuir entre os colportores e colportoras Bônus Padrões de incentivo pela dedicação em trazer pessoas para nossa Igreja. O sentido mais elevado do termo, significa mutirão, solidariedade, assistência social.


 

Gostaria de saber se o Dr. Joseph Murphy se matou? Gostaria de saber pois me fizeram essa pergunta e não soube responder.

O Dr. Joseph Murphy, morreu placidamente dormindo como um justo e no dia anterior sabia que ia morrer e avisou a todos a esse respeito.
Leia a citação em um dos sites americanos sobre sua morte:
On December 15, 1981, after completing another trip around the world, and in good health, Dr. Murphy told his wife Jean and those near to him that it was time for him to leave this earth plane. He lay down, and passed over in a state of peace.

Em 15 de dezembro de 1981, depois de completar outra viagem ao redor do mundo e em boa saúde. Dr. Murphy disse à sua esposa Jean e àqueles que estavam próximos a ele que era chegado o tempo de partir do plano terrestre. Ele se deitou e faleceu em estado de paz.

O boato a respeito de suicídio surgiu a partir de sites infelizes aqui no Brasil que misturam a obra do Dr. Joseph Murphy com o livro A LEI DE MURPHY de autoria de Edward Murphy, capitão da Força Aérea americana. O Dr. Joseph Murphy não tem nada a ver com as leis de Murphy que se originaram com Edward Murphy.


Tenho feito pesquisas a respeito da filosofia de vcs por estar curiosa e ter real interesse sobre o que é proposto. Muitos os classificam como sendo uma seita, o que dizem sobre isso? As informações contidas no site são tecidas com mais enfoque na questão financeira pelo “dízimo” e pouco é se falado sobre Jesus…

Seita (<do latim secta = “seguidor”, proveniente de sequire = “seguir”) falando de forma genérica essa palavra é utilizada para designar o seguidor de alguma verdade ou de algum líder espiritual. Em termos sociológicos essa palavra é utilizada para designar genericamente qualquer doutrina ou ideologia. Nos termos originais os seguidores de Jesus eram discriminados como seguidores de uma seita. O conceito, segundo Freud é utilizado para designar o próprio conjunto de pessoas (o grupo organizado ou movimento aderente a tal doutrina, ideologia etc…), divergentes da opinião geral. No tempo em que surgiu o Cristianismo diferia das religiões pagãs existentes na época e portanto  foi considerado como seita pois a opinião geral era pagã. O Cristianismo ainda é considerado uma seita nos dias de hoje visto não se tratar da religião que prevalece (no sentido de ser a maioria) no mundo de hoje. Considerando-se que o mundo possui atualmente sete bilhões de pessoas e o Cristianismo tem apenas 2,2 bilhões de adeptos, ainda necessita de 1,3 bilhões de pessoas + 1 para ser considerado maioria em relação à soma das demais religiões existentes. Pela estatística abaixo existem cinco bilhões e quinhentos e vinte e quatro milhões de crentes (sectas = seguidores) em um mundo de sete bilhões de pessoas. Portanto ainda faltam um bilhão e quatrocentos e setenta e seis milhões de pessoas para que não exista nenhum ateu no mundo. Os estudiosos preveem que dentro de 25 anos ou talvez menos, a maior religião do mundo será o Islamismo, visto que o Islamismo cresce exponencialmente ao passo que o número de cristãos decresce a cada ano (Fonte: Igreja Batista). Dentre as seitas mais importantes do mundo neste momento as 8 que mais se destacam são:

1. Cristianismo (aprox. 2,2 bilhões de adeptos)
2. Islamismo (aprox. 1,6 bilhões de adeptos)
3. Hinduísmo (aprox. 900 milhões de adeptos)
4. Religião tradicional chinesa (aprox. 400 milhões de adeptos)
5. Budismo (aprox. 376 milhões de adeptos)
6. Sikhismo (aprox. 20 milhões de adeptos)
7. Judaísmo (aprox. 15 milhões de adeptos)
8. Espiritismo (aprox. 13 milhões de adeptos)

Fonte: http://super.abril.com.br/blogs/superlistas/as-8-maiores-religioes-do-mundo/

Note que essa estatística possui um viés porque inclui o Budismo e o Espiritismo como se fossem religiões. O Budismo não pode ser considerado religião visto que os budistas não creem em Deus e o Espiritismo também não pode ser considerado religião porque seu criador Allan Kardec, afirmava que o Espiritismo jamais poderia ser uma religião. No Brasil o Espiritismo é considerado religião por Lei imposta pelo Marechal Deodoro da Fonseca, a pedido do vereador do Rio de Janeiro Bezerra de Menezes.

Em termos de denominação religiosa é incorreto utilizar o termo seita, embora toda religião possa ser assim considerada no sentido etimológico da palavra. Mas essa denominação não pode ser considerada adequada à nossa Igreja pois a nossa Igreja segue os ensinamentos de Jesus Cristo e Jesus nunca criou uma religião. Jesus, como consta na Bíblia, criou uma Igreja e não uma religião. Assim sendo, como só as religiões podem ser consideradas seitas, a nossa Igreja que professa o Cristianismo e não uma religião, não pode ser considerada seita. O lema de nossa Igreja é bem claro: Espiritualidade não é religião, a religião divide as pessoas a espiritualidade as une.
Quando Martinho Lutero um dos maiores teólogos de seu tempo, não concordando com a venda das indulgências, rompeu com a Igreja Católica e criou a primeira seita evangélica foi declarado Protestante por protestar contra os desmandos daquela Igreja. Ele foi excomungado e o conceito de seita aplicado aos evangélicos foi deturpado e ao invés dos teólogos católicos utilizarem a expressão latina secta para designar os protestantes, passaram a utilizar a expressão grega hairesis que significava “heresia” e não “seita” com isso denotando uma conotação depreciativa.
Você menciona que nosso site se foca na “questão financeira” do dízimo. Isso não é verdade, o dízimo não é “questão financeira” é dever para com Deus como ensinado por Jesus em Mateus 23:23. E você menciona também que pouco falamos sobre Jesus, o que não é verdade também, pois no livro específico sobre dízimo A LEI DA GRATIDÃO a palavra “Jesus” é citada 41 vezes e não se pode mencionar o dízimo sem citar Jesus visto ser Ele a razão de existir o dízimo entre os verdadeiros cristãos. Seitas cristãs tiram a deidade e a autoridade de Jesus, portanto não podem ser consideradas cristãs. Se você ler com atenção nosso livro A LEI DA GRATIDÃO verá que ele se fundamenta totalmente na autoridade de Jesus. Alguns autores consideram que seita seja qualquer grupo religioso que baseia as suas doutrinas em distorções bíblicas, também denominadas heresias. Pretender que Jesus tenha criado uma religião é uma heresia visto que Ele criou uma Igreja e não uma religião, assim sendo, quaisquer igrejas que professem “religiões cristãs” cometem heresias. Até bem pouco tempo (verifique pesquisando na Internet) era proibido aos católicos a leitura da Bíblia. Nossa Igreja cita a Bíblia com frequência como se pode perceber facilmente através de nossos sites e das apostilas de nossos estudos. Só pode negar isso quem não tem “olhos de ver e ouvidos de ouvir” como cita a Bíblia. Todas as religiões atualmente, sejam ou não cristãs, foram consideradas seitas em suas origens. (Veja Atos 24.5) Todo grupo que professe conhecimentos espirituais, sejam fundamentados na Bíblia ou não, incomodam os grupos das grandes religiões e como tal são alcunhados de seitas. Mas o que mais incomoda os detratores de nossa Igreja é o fato de não permitirmos que nossos Pastores recebam salários por pregarem a palavra de Deus. Daí acusarem uma Igreja que professa a espiritualidade ensinada por Jesus e não a religiosidade que Jesus nunca ensinou, por não comungarmos com essa pratica que não aceitamos e não praticamos preferindo dedicar o dízimo que recebemos para a pratica da caridade social devolvendo cada tostão arrecadado em benefícios a nossos fiéis.

Clique AQUI para enviar sua pergunta.

Para se tornar membro de nossa igreja, obtenha informações, clique AQUI.

Para receber dois livros GRÁTIS de nossa Igreja clique aqui.